Notícias

Voltar

No mês das mulheres, conheça a divertidíssima Bobby Baker

por bigorna.art.br

Nunca se falou tanto sobre o reconhecimento das mulheres no cenário mundial das artes. Antes tarde do que nunca, instituições brasileiras como o Masp e a Pinacoteca de São Paulo dedicaram suas programações anuais a produções femininas. Exposições como "Radical Women", feito para o LACMA de Los Angeles trouxe à luz trabalhos de dezenas de latino-americanas que ficaram apagados durante décadas e outras como de Hilma af Klint questionaram a tradicional história da arte protagonizada por artistas homens. O #metoo viralizou mundialmente também nas artes visuais. Mas esse é só o começo do barulho até que nós, mulheres, sejamos legitimamente reconhecidas no cenário das artes (e em todos os outros contextos também, é claro). No mês das mulheres, apresento-lhes Bobby Baker:

Bobby Baker em vídeo sobre a mostra inglesa "Great & Tiny War". Foto: Reprodução.

NÃO BRINQUE COM A COMIDA!
Mulher da classe média britânica, mãe, dona de casa, paciente psiquiátrica, vítima de câncer: Bobby Baker é uma super-heroína e ativista que, entre todos os afazeres diários e intermináveis, investe tempo e energia para ser artista. Como muitas outras que produziam artisticamente nas décadas de 1970 e 1980 (e até hoje…), ficou escondida até alguém decidir fazer uma exposição sobre seu trabalho – o incrível espaço cultural La Casa Encendida, onde eu por um acaso visitei enquanto estava em Madri na ocasião da feira ARCO. Foi cozinhando que Bobby Baker percebeu qual seria o ponto crucial da sua obra. Fazer tortas, de repente, deixou de ser uma tarefa do lar e virou algo rebelde: para subverter o lugar (preconceituoso) que as mulheres eram colocadas na época e ser finalmente reconhecida como artista num mundo permeado por homens, suas performances viraram verdadeiros banquetes em que a comida podia ser tinta, a tolha uma tela e a mesa, um palco. Ela passou a apresentar suas Tables Occasions para plateias com a qual dividia histórias da vida real e muito bem humoradas (assista aqui uma dessas performances e aqui uma entrevista com a artista).

Continue a sua leitura no site bigorna.art.br

Cadastre-se em nossa newsletter e receba o e-book Conservação de Esculturas em Espaços Públicos
Cadastre-se em nossa newsletter e receba o e-book Conservação de Esculturas em Espaços Públicos