AGENDA DAS ARTES

Voltar

Mariana

Artistas: Christian Cravo

Curadoria: Adriana Cravo

De 18/9 a 27/10

Instituto Tomie Ohtake Ver mapa

Endereço: Avenida Brigadeiro Faria Lima, 201 - Pinheiros - São Paulo - SP CEP 01451-001

Telefone: (11) 2245-1900

Instituto Tomie Ohtake apresenta “Mariana” de Christian Cravo que fica em cartaz de 18 de setembro a 27 de outubro. A mostra é homônima ao livro de Cravo e passou por Fortaleza e Salvador antes de chegar à São Paulo, a curadoria é assinada por Adriana Cravo.


Christian Cravo, Tenebris, 2015, Pigmento natural sobre papel de algodão. Dimensões: 225 x 150 cm. Créditos: Divulgação

Mariana é a segunda exposição de Christian Cravo no Instituto Tomie Ohtake e reúne 26 fotografias impressas em fine art que retratam o que restou da cidade após o trágico rompimento da barragem de Fundão, que vitimou 19 pessoas e desabrigou centenas de famílias na cidade mineira, em 2015. “A escolha das imagens, assim como o título que cada uma delas recebeu, teve a intenção de gerar empatia e aproximar o público do cotidiano roubado das pessoas que ali viviam até o momento da tragédia", explica a curadora.

Cravo passou três dias percorrendo os distritos de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo produzindo registros do que permaneceu após a enxurrada de lama e rejeitos de minério. O artista encontrou como testemunhas da tragédia objetos, roupas e calçados enlameados, retratos cobertos pelo barro e destroços das antigas construções do local. Cravo, afirma que nesta série seu objetivo foi o de revelar uma memória iconográfica que o tempo congelou. “São objetos que pararam naquele instante em que a lama chegou. O momento eterno que representa o fim daquela sociedade”, reflete. 


Christian Cravo, Fátima, 2015, Pigmento natural sobre papel de algodão. Dimensões: 225 x 150 cm. Créditos: Divulgação

Bené Fonteles (artista e coordenador do Movimento Artistas pela Natureza), assina um texto sobre as fotografias da mostra  e enfatiza que Cravo “não só dá testemunho a dor, mas a transcendência entre a beleza estética que pontua a tragédia e a arte que não pode prescindir do imenso de uma verdade poética... não são simplesmente fotografias destes rastros e restos... mas, a revelação do extraordinário quase místico de pedaços do que ficou oculto no íntimo das casas mineiras que pareciam esperar a eminente tragédia... não o registro do sinistro, mas um sentido vasto de abandono que no ‘oculto do mistério se escondeu’ (Caetano Veloso) .... retratos de uma Minas que não só dói, mas incomoda no roto retrato e dele vaza mais do que lama e do que caos... vaza do avesso uma imensa, triste, solidão...”. 

Serviço
“Mariana”, de Christian Cravo
Datas e Horários: De 18/9 a 27/10. De de terça a domingo, das 11h às 20h
Local: Instituto Tomie Ohtake |Av. Faria Lima 201
Entrada livre e gratuita