AGENDA DAS ARTES

Voltar

De Ásia a Z

Artistas: Eduardo Colesi

Curadoria: -

De 27/6 a 10/8

Andrea Rehder Arte Contemporânea Ver mapa

Endereço: Av. Brasil, 2079 Jardim Paulista

Telefone: (11) 3081-0083

Eduardo Colesi atualmente é um nome conhecido no meio da fotografia publicitária: em sua jornada de 15 anos na profissão, desenvolveu um trabalho autoral tanto como fotógrafo quanto como diretor de fotografia. Mas uma faceta importante de seu trabalho e ainda desconhecida do grande público será apresentada a partir do dia 27/6, terça-feira, na Galeria Andrea Rehder: suas fotografias artísticas, resultantes de longas imersões por diferentes cidades asiáticas, incluindo também vilarejos longínquos onde vivem tribos isoladas. O nome da mostra é De Ásia a Z. 

As 45 fotos presentes na exposição são o resultado de uma viagem que durou mais de um ano, realizada junto a sua esposa – 385 dias, precisamente - e percorreu 15 diferentes países, entre eles: Butão, Camboja, China, Índia, Indonésia, Japão, Laos, Mongólia, Nepal, Sri Lanka, Tailândia, Tibet e Vietnã.  Nessa expedição, o fotógrafo teve a oportunidade de morar em tribos nômades na Mongólia, encontrar com as últimas mulheres de Mianmar com o rosto tatuado, conhecer monastérios budistas e conviver com uma das últimas tribos de domadores de renas. Renas que, assim como elefantes, camelos, trens, carros e bicicletas foram várias vezes seu meio de transporte. Dessas vivências surgem imagens raras de paisagens, retratos marcantes de crianças a idosos, e cenas de diversas situações, sejam elas cotidianas, de trabalho, sejam religiosas, todas apresentadas com um olhar que une ao registro documental um olhar poético e uma técnica apurada.

As fotos são todas impressas em papel Hahnemühle, com exceção de duas: a de um monge budista, impressa em um papel sagrado feito pelos próprios monges que vivem nas montanhas do Himalaia, cujo processo de manufatura não pode ser acompanhado por um não iniciado na religião, e outra clicada na floresta de Manggarai, na Indonésia. Nela, a imagem de uma casa em que não é usado um único prego em sua edificação foi gravada em uma madeira de demolição por meio de impressão UV (Ultravioleta, considerada uma tecnologia limpa). Os veios da peroba rosa e da arquitetura da moradia conversam nessa obra tão singular e permeada pela idéia sustentável e não agressiva ao meio-ambiente.

A paixão de Colesi por fotografar realidades, paisagens e hábitos distintos dos seus não nasceu repentinamente. A vontade de se aprofundar em culturas diferentes e o gosto por estar em trânsito surgiram praticamente juntos do amor pela fotografia, quando ainda era estudante, na Inglaterra. Mas foi em uma expedição no Quênia que durou “apenas” 20 dias, que o artista se deu conta de que pequenos trajetos e curtas durações não satisfariam sua vontade de vivenciar e se aprofundar no convívio e costumes de outras populações.

“A convivência com diferentes povos trouxe a compreensão de que cada indivíduo tem sua própria história, seu tesouro a ser descoberto”, diz Mariana Colesi, diretora artística do projeto, companheira de expedição e que assina o texto de parede. 

O fotógrafo também acredita na importância de ter o que chama de olhos livres de muros mentais. “A viagem e essas fotografias trazem uma informação que pode parecer óbvia, mas que não pensamos nos dias de hoje: cada pessoa tem uma história e é preciso estar aberto para enxergar a riqueza de cada ser humano, assim como novos pontos de vista”, diz o fotógrafo. Estar mais de um ano com uma câmera na mão e uma mochila nas costas deixaram também o desejo de continuar nessa trilha. O fotógrafo já tem planejada sua próxima viagem: uma estada de dois meses em um povoado da Namíbia, no sul da África.

Sobre Eduardo Colesi
Fotógrafo com 15 anos de experiência em publicidade, é formado em fotografia pela escola Panamericana de Arte. No início de sua carreira fez assistência para fotógrafos renomados como J.R. Duran, Andreas Heiniger, Fabio Bataglia, Luis Crispino e Maurício Nahas. Diretor de fotografia e com estúdio próprio desde 2006, tem em seu currículo também trabalhos em videoarte e em documentário, como o curta-metragem sobre a Revolução de 32 “Pro Brasilia Fiant Eximia” (2012), como diretor de fotografia.

Serviço:
De Ásia a Z – fotografias de Eduardo Colesi
Abertura: 27/6, a partir das 18h
Exposição: 28/6 a 10/8/2017
Local: Galeria Andrea Rehder