Notícias

Voltar

Semana de exposições em São Paulo

Estes são os últimos dias para ver importantes exposições que acontecem em São Paulo. Ficam em cartaz até o final de semana, o "File São Paulo 2017" e a "Cidade da língua", dos britânicos Bampass & Parr, duas mostras imperdíveis - assim como outras exposições em museus e galerias da cidade. Dentre elas, incluímos algumas que se estendem por mais alguns meses, mas não podem ser esquecidas pelos amantes das artes plásticas e visuais! 

E programe-se para pagar pouco. Muitos museus possuem a política de abrir suas portas gratuitamente ao público em algum dia da semana. Confira os horários de funcionamento dos museus da cidade no nosso guia e bom passeio!

File São Paulo 2017
Artistas: Vários
Até 3/9
Centro Cultural FIESP

O maior festival de arte e tecnologia da América Latina chega ao fim no final de semana. Mais de 350 obras e instalações nacionais e internacionais despertam sensações e experiências únicas que encantam as crianças e os adultos. Além disso, a Galeria de Arte Digital (grande plataforma de LED instalada na fachada do prédio), também faz parte do Festival e terá uma programação especial para iluminar as noites paulistanas. O "FILE LED SHOW 2017: Diálogos possíveis" apresenta 18 obras divididas em três mostras: Cinema Algoritmo, Projeto Faces e uma ação colaborativa com a Universidade de Nova York Abu Dhabi, desenvolvida especialmente para esta edição. Saiba mais.

(Foto: Giovanna Fava Mitrani/InfoArtSP)

Cidade da língua
Artista: Bompas & Parr
Curadoria: Felipe Chaimovich
Até 3/9
MAM-SP

A mostra dos ingleses é composta por uma série de instalações que tratam do passado, do presente e do futuro da comida. Em cartaz até o final de semana (3/9), todos os temas da “Cidade da Língua” são tratados num estilo característico: fantasia, festa e o típico senso de humor britânico; celebrando uma década de Bompas & Parr através da arte e da gastronomia. As instalações estão arranjadas como partes de uma cidade inglesa com a típica arquitetura do século quinze. A comida é experimentada de diversas maneiras: por meio do paladar, do cheiro, do toque, da visão e da audição. Saiba mais.

Que tal experimentar comidas com outros sentidos? (Foto: divulgação)

Praças (im)possíveis
Artista: Estúdio Bijari
Até 3/9
SESC 24 de Maio

O projeto, que nasceu em fevereiro de 2015, surgiu da experiência cotidiana de transitar pela cidade e interagir com a carência de espaços públicos de descanso - como parques e praças. A intervenção, composta por bicicletas cargo transformadas em peças de mobiliário urbano, funciona como um dispositivo de ativação ao criar novas formas de convivência na cidade, convertendo temporariamente vazios urbanos em praças. A ideia é que qualquer pequeno espaço da cidade possa ter um banco, vegetação e uma sombra. Esses elementos são conectados na figura das bicicletas adaptadas que se transformam em pequenas praças articuláveis entre si. Últimos dias! Saiba mais.

Bijari cria instalações em que praças articuláveis entre si são montadas a partir de bicicletas.

#Recreio
Artista: Edu Cardoso
Curadoria: Francisco Rosa
Até 31/8
Luis Maluf Art Gallery

Em cartaz somente até quinta-feira (31), “#Recreio”, palavra que se refere ao divertimento, prazer, deleite e criatividade, convida os espectadores a despertar em si, algumas das melhores e mais afetivas recordações dos tempos de criança. Através de sua técnica variada, o artista autodidata mistura a tradição da pintura acadêmica feita a óleo, com a popularidade do lápis de cor, a colagem e o carvão, e apresenta 12 obras inéditas, entre pinturas e desenhos, nos quais reflete a sua arte através de imagens realistas de crianças em momentos da infância. Saiba mais.

Edu Cardoso (Divulgação)

Maré
Artista: Ernesto Bonato
Até 2/9
Galeria Virgílio

A instalação maré, cujo centro é uma grande imagem de água gravada em madeira e impressa em papel fino japonês, busca sugerir uma certa narrativa do ser a partir de complementaridades como água e fogo, contemplação e gesto, leveza e peso, luz e sombra, através das relações simbólicas estabelecidas entre as gravuras, vídeos, fotografias e músicas que integram a obra do artista Ernesto Bonato. Um outro aspecto que o projeto discute é o da impermanência dos grandes ciclos naturais, buscando despertar os sentidos para uma escuta mais fina dos processos internos da natureza que interferem e sofrem interferência do homem e para o tempo que rege e se manifesta nesses processos. Saiba mais.

Ernesto Bonato- Mão. Xilogravura impressa s/ Seiksho. montada com moldura de madeira. Tiragem: 12. 2006. 65 x 65 cm.

Prêmio Brasil Fotografia 2017
Artistas: Vários
Curadoria: Cildo Oliveira
Até 8/10
Espaço Cultural Porto Seguro

O Espaço Cultural Porto Seguro abriga a mostra do "Prêmio Brasil Fotografia 2017", com os vencedores do prêmio que este ano contempla 10 artistas e mais de 50 obras entre trabalhos impressos e multimeios. Com curadoria geral do artista visual Cildo Oliveira, o prêmio teve o júri deste ano constituído por Fábio Magalhães, Angélica de Moraes, Rubens Rewald e Evandro Teixeira; e os artistas contemplados foram Nair Benedicto, Antônio Saggese, Gilvan Barreto, André Arruda, André Cunha, Tiago Coelho, Adriano Escanhuela, Osvaldo Vendrame, Leo Caobelli e Dirceu Maués. Saiba mais.

André Cunha - Da varanda, o mundo 2017

 Barroco Ardente e Sincrético - Luso-Afro-Brasileiro
Artista: Vários
Curadoria: Emanoel Araújo
Até 3/12
Museu Afro Brasil

A exposição reúne cerca de 400 obras, de artistas como Aleijadinho e Mestre Valentim da Fonseca e Silva, que apresentam ao visitante o espírito do barroco, passando por suas referências na cultura erudita e popular e traçando variadas manifestações do estilo artístico em Portugal e no Brasil, com ênfase em suas expressões em um país miscigenado. Segundo o curador da mostra, Emanoel Araújo, esse barroco multifacetado expõe a força da contribuição portuguesa, mas evidencia “a atitude tropical miscigenada da África e do Brasil”, do sagrado ao profano. “O barroco, para mim, é um movimento que não tem fim. É contínuo na cultura brasileira. Vem de Portugal, mas encontra aqui o campo ideal para essa construção de identidade”, comenta o curador. Saiba mais.

São Francisco, Século XVIII (208 X 106 X 6 cm). Autor: José Teófilo de Jesus (Salvador/BA – 1758 – 1847), Século XVIII. Óleo sobre tela. Fotografia: Romulo Fialdini.

Toulouse-Lautrec em vermelho
Artista: Henri de Toulouse-Lautrec
Curadoria: Adriano Pedrosa
Até 1/10
MASP

Em cartaz até 1/10 a maior exposição dedicada à obra do francês Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901) já realizada no Brasil. Em torno do tema da sexualidade, a mostra apresenta 75 obras, entre pinturas, cartazes e gravuras, que estão entre as mais emblemáticas do artista. Das onze obras de Toulouse-Lautrec da coleção do MASP, a maior e mais importante em um museu da América Latina, 9 estarão expostas; as demais serão empréstimos de alguns dos principais museus e coleções particulares do mundo. Toulouse-Lautrec foi um dos artistas centrais da Paris do final do século 19, ao capturar a efervescência noturna da capital que despertava para a modernidade, quando suas ruas foram iluminadas a gás e as mais diversas figuras passaram a se encontrar nos espaços públicos, entre burgueses, boêmios, prostitutas, dançarinos e artistas. Saiba mais.

Henri de Toulouse-Lautrec, La Grosse Maria [A grande Maria] [The Big Maria], circa 1886. Óleo sobre tela [Oil on canvas], 79 x 64 cm. Von der Heydt-Museum Wuppertal, Germany.

Outras mostras em cartaz na capital paulista você confere na agenda do InfoArtSP.