Notícias

Voltar

Semana de estreias e encerramentos de exposições em São Paulo

São Paulo ganha mais um espaço cultural na avenida mais paulistana da cidade. O Instituto Moreira Salles em São Paulo (IMS Paulista), abre ao público o centro cultural localizado na Av. Paulista, 2424, na quarta-feira, dia 20 de setembro de 2017, com uma programação especial. São 5 exposições simultâneas ("São Paulo: três ensaios visuais"; "The Clock"; "Câmera aberta";  "Corpo a corpo" e "Os americanos e Os livros e os filmes", de Robert Frank) que trazem artistas com linguagens visuais diversas, num conjunto que reforça a pluralidade da imagem na arte contemporânea e o compromisso do Instituto com o arte visual.

Outras mostras ainda entram em cartaz pela cidade e agitam o circuito de artes plásticas e visuais de uma das principais capitais culturais da América Latina. 

Nesta semana o InfoArtSP apresenta as principais aberturas e mostras que encerram suas exibições. Confira:

ABERTURAS

Os americanos e Os livros e os filmes
Artista: Robert Frank
Curadoria: Samuel Titan Jr., Sergio Burgi e Gerhard Steidl
De 20/9 a 30/12
IMS Paulista

Com curadoria de Samuel Titan Jr., Sergio Burgi e Gerhard Steidl, "Os americanos e Os livros e os filmes" formam um belo painel sobre Robert Frank, artista que retratou, compreendeu e expressou em profundidade a América e a geração beat nos anos 1950. Ao mesmo tempo, o artista expandiu as fronteiras da linguagem da fotografia e do cinema na segunda metade do século XX. "Os americanos" é o resultado da jornada de Frank pelos Estados Unidos, em que percorreu quase todos os estados. Fruto de uma bolsa da Guggenheim Fellowship, a viagem de Frank em um velho carro usado durou cerca de nove meses, entre 1955 e 1957, e originou mais de 28 mil fotografias, que se tornaram verdadeiros retratos de uma América multifacetada. Com a série, Frank inaugurou a fotografia de rua (street photography) e de estrada, livre de retórica e narrativas estruturadas. Uma ode poética que se tornou modelo e referência para artistas posteriores. Saiba mais.

Robert Frank

Pedro Reyes
Artista: Pedro Reyes
De 19/9 a 21/10
Galeria Luisa Strina

O mexicano Pedro Reyes exibe sua segunda individual na Galeria Luisa Strina. Para esta exposição, Reyes apresentará uma série de esculturas inéditas de pedra, concreto, bronze e ferro forjado. Embora técnicas como esculpir diretamente na pedra tenham praticamente desaparecido da prática contemporânea, é de interesse de Reyes reconectar-se com a longa tradição da escultura ao longo do tempo e geografia. Saiba mais.

Pedro Reyes

Satoyama
Artista: Sergio Coimbra e Yoshihiro Narisawa
Curadoria: Felipe Ribenboim
De 19/9 a 12/11
Japan House São Paulo

A mostra é resultado de um trabalho concebido a quatro mãos entre dois importantes nomes da cena gastronômica mundial, o fotógrafo brasileiro Sergio Coimbra e o chef de cozinha japonês Yoshihiro Narisawa. Nela serão exibidas cerca de 80 fotografias, além de objetos e vídeos com curiosidades e relatos de personagens presentes na trajetória e nas criações do chef durante os três anos de processo em que ele e o fotógrafo Sergio Coimbra percorreram diferentes localidades no Japão para retratar a gastronomia local, definida por Narisawa como Satoyama Cuisine - 'alimento para o corpo e a alma'. O resultado traz à tona segredos da culinária japonesa como o amplo respeito aos insumos utilizados, sua sazonalidade e seu produtor. Saiba mais.

Mori no pan spring (Divulgação)

Living in my ART room
Artista: Felipe Ehrenberg
De 21/9 a 21/10
Baró Galeria

O renomado artista mexicano Felipe Ehrenberg, que faleceu em maio deste ano, é considerado um dos artistas mais instigantes e importante do México, com uma obra extensa de mais de cinquenta anos de produção. Na mostra, serão exibidos trabalhos históricos e recentes, como instalação, publicações, registros de performances, pinturas, colagens, pôster, desenhos e filmes. Apesar de seu elaborado discurso e pensamento conceitual, tinha a necessidade de se comunicar com as massas, nunca abandonando a figuração em sua obra, mesmo assim muitas de suas propostas foram tão controversas que mudaram o curso da arte no México. Saiba mais.

Mutilaciones eróticas, 1991.

Recorte Modernista
Artista: Vários
Curadoria: Ricardo Camargo
De 21/9 a 18/11
Ricardo Camargo Galeria

Em comemoração a seus 22 anos, a Ricardo Camargo Galeria apresenta duas exposições icônicas que trazem ao público uma seleção de obras da arte sobre papel dos mais clássicos modernistas brasileiros. A mostra individual de "Ismael Nery", recebe atenção especial e ocupa uma sala anexa do espaço. Já a mostra "Recorte Modernista" apresenta obras de figuras como Di Cavalcanti, Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Candido Portinari e Antonio Gomide. A exposição coletiva apresenta ao público um recorte amplo do modernismo brasileiro: são 40 obras de um período que teve início com a famosa mostra de Anita Malfatti, em 1917, e que seguiu até o começo do abstracionismo com Antônio Bandeira, nos anos 1950. Saiba mais.

Alfredo Volpi - Paisagem com casa, c. 1940. Óleo s cartão colado s madeira, 27 x 34,5 cm.

Blanco y negro
Artista: Vários
Curadoria: Juan Esteves
De 19/9 a 14/10
Espacio Uruguay

A imagem fotográfica em branco e preto vem navegando pelo nosso campo imagético desde seus primórdios, pelo registro mais documental ou naquele que se sustenta em forma de arte, tendências que aqui nesta exposição se conectam harmoniosamente. Nesta mostra coletiva, 16 fotógrafos exibem seus trabalhos sob a curadoria de Juan EstevesSaiba mais.

Roberto Alves Lima (Divulgação)

Quem sou eu?
Artista: Vários
Curadoria: Karen Worcman
De 22/9 a 17/12
Sesc Vila Mariana

O Sesc SP apresenta a exposição "Quem sou Eu?" em comemoração aos 25 anos do Museu da Pessoa. Parceiros desde 1994, o Sesc SP e o Museu da Pessoa, iniciaram o projeto "Memórias do Comércio em São Paulo", cujo objetivo é registrar as histórias do comércio com foco em narrativas de vida de comerciantes, comerciários e pessoas envolvidas na cadeia produtiva do comércio. Este acervo engloba arquivos particulares dos entrevistados e a sistematização de informações sobre os contextos sociais, culturais e históricos. Atualmente são 263 entrevistas registradas em vídeo e uma coleção de mais de 1.000 fotos e documentos digitalizados e catalogados. “Quem sou eu?”, esta pergunta tão singela quanto instigante é o eixo narrativo da exposição, mote inspirado no trabalho do psicólogo americano Jerome Bruner (1915-2016). Saiba mais.

Acervo Museu da Pessoa.

ÚLTIMOS DIAS

Syron Franco em 38 obras: 1974 a 2017
Artista: Syron Franco
Curadoria: Gottfried Stützer e Matheus Araujo de Andrade
Até 24/9
Biblioteca Mário de Andrade

Pintor reconhecido desde a década de 70, Syron Franco também é escultor e desenhista, tendo começado a vida de artista ainda muito jovem, como retratista da elite goiana - trabalho este que auxiliava no sustento da família. Como voraz observador do cotidiano e de espírito questionador, encontrou no seu cotidiano fonte de inspiração para suas pinturas iniciais: a fauna e flora do Cerrado, as culturas indígenas e a arte pré-colombiana são elementos recorrentes em suas telas. O artista foi premiado como Melhor Pintor Brasileiro durante sua participação na XII Bienal Internacional de São Paulo. Saiba mais.

Homenagem á farnese- série semelhantes.

Loucuras anunciadas
Artista: Francisco de Goya
Curadoria: Mariza Bertoli
Até 24/9
Caixa Cultural

A coleção, também chamada de Disparates, reúne 20 gravuras e é uma edição póstuma da Academia de Belas Artes de Madri, que adquiriu as pranchas em 1864. O ciclo apresentado em São Paulo é considerado o mais obscuro e complexo da produção de Goya. O período em que as gravuras foram feitas não é muito preciso; de acordo com especialistas, devem ser de 1815 a 1820. Goya tinha decidido não publicá-las, por causa da perseguição aos iluministas à época. As enigmáticas gravuras são as últimas obras gráficas de Goya. Disparates é uma série que revela visões, violência, sexo, deboche das instituições relacionadas com o regime absolutista, crítica aos costumes e ao clero. Saiba mais.

Francisco Goya - A Lealdade.

Tomie Ohtake: Nas pontas dos dedos
Artista: Tomie Ohtake
Curadoria: Paulo Miyada
Até 23/9
Galeria Nara Roesler

Na mostra, o curador Paulo Miyada traz mais uma chave para alcançar o pensamento plástico da consagrada artista brasileira. Focada em pinturas da década de 70, acrescida de algumas gravuras, a exposição inclui parte dos cadernos de Tomie Ohtake – muito pouco conhecidos, mesmo no circuito das artes –, nos quais pequenas colagens revelam como se iniciava a experimentação pictórica da pintora. Saiba mais.

Tomie Ohtake, Sem Nome, 1979 (Divulgação)

Do silêncio: vers Leonilson
Artista: Vários
Curadoria: Ricardo Resende
Até 23/9
Galeria Marília Razuk

A mostra "do silêncio: vers Leonilson", com curadoria de Ricardo Resende, cria diálogo entre a obra de Leonilson (1957-1993) - primeiro artista contemporâneo brasileiro a ganhar um Catálogo Raisonné - e a produção de Gustavo Rezende, Hilal Sami Hilal, João Castilho, Johanna Calle, Luiz Solha, Maria Leontina, Marina Weffort, Mira Schendel, Paulo Whitaker, Sergio Romagnolo, Vanderlei Lopes e Wagner Malta Tavares. Saiba mais.

Leonilson - Untitled, 1992. Thread on voile 19,5 x 29 cm. Foto (Photo) Felipe Bartarelli/ Projeto Leonilson

Outras exposições em cartaz em São Paulo você confere na agenda do InfoArtSP.  Confira aqui as exposições em destaque na última semana.