Notícias

Voltar

Evento no MAM distribui livro fotográfico de esculturas públicas

A cidade de São Paulo acaba de receber um presente: 41 esculturas e monumentos históricos restaurados, após passarem por um minucioso período de limpeza e recuperação.

As obras são assinadas por nomes icônicos da arte brasileira e estão instaladas em regiões que são cartões postais da cidade, como a Praça da Sé, a Avenida Paulista e o Parque Ibirapuera. O projeto foi patrocinado pela Bombril, e realizado pela Sequóia Produções, em parceria com o Ateliê Julio Moraes e apoio do Governo do Estado de São Paulo e da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

"Queremos preservar o patrimônio cultural de São Paulo e chamar atenção às obras importantes, feitas por artistas que ajudaram a construir a história da arte no Brasil", diz Eduardo Lara Campos, diretor da Sequóia Produções.

Vistas do Marco Zero da cidade de São Paulo, na Praça da Sé. Foto: Rodrigo Kassab.

O passo a passo do processo de restauro das esculturas foi documentado em registros fotográficos e em vídeo. O resultado pode ser conferido em um catálogo impresso e digital que será lançado e distribuído gratuitamente no feriado de 9 de julho, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP). No mesmo evento, haverá duas sessões de exibição do documentário Conservação de Esculturas em Espaços Públicos, que registrou mais detalhes da ação.

Por se tratar de uma iniciativa de grande porte, o restauro foi dividido em três etapas e cada escultura recebeu os cuidados de acordo com seu estado e suas demandas. Desde a remoção de manchas de pichações e desgastes ocasionados por intempéries diversas, até pinturas e polimentos - além da instalação de coberturas para protegê-las e facilitar futuras limpezas - fizeram parte do processo.

Obra Emblema de São Paulo (1979), de Rubem Valentim, na Praça da Sé. Foto: Rodrigo Kassab.

Na primeira fase, que ocorreu entre novembro e dezembro de 2018, foram recuperadas nove esculturas da Praça da Sé. Entre elas Abertura (1970), escultura em aço de Amilcar de Castro; Voo (1967), de Caciporé Torres; Nuvem Sobre a Cidade (1979), de Nicolas Vlavianos; Emblema de São Paulo (1979), de Rubem Valentim; e as esculturas sem título de Mario Cravo Júnior, em aço inoxidável, e de Sergio Camargo, em mármore carrara. Além disso, outra obra que recebeu os cuidados do projeto foi o Marco Zero da cidade, prisma hexagonal revestido de mármore e bronze, idealizado por Jean Gabriel VillinAmérico Neto e localizado no centro geográfico de São Paulo.

A segunda fase, realizada entre janeiro e fevereiro deste ano foi marcada pelo restauro de esculturas no Parque Trianon, na Avenida Paulista, foram elas: Fauno (1944), de Victor Brecheret; Anhanguera (1935), de Luís Brizzolara; e Busto de Joaquim Eugenio de Lima (1952), de Roque de Mingo.

Em junho, a terceira e última fase foi concluída e recuperou 30 obras do Jardim de Esculturas do MAM-SP, no Parque Ibirapuera, um verdadeiro museu exposto a céu aberto. Os monumentos são criações de importantes nomes da cena contemporânea do País, com obras como Aranha (1981), de Emanoel Araújo; Carranca (1978), de Amilcar de Castro; Laminescate (1991), de Luiz Hermano; Sem título (1997), de José Resende; Sete ondas - uma escultura planetária (1995), de Amelia Toledo; Cantoneiras (1975), de Franz Weissmann; e Corrimão (1996), de Ana Maria Tavares.

"O acesso à cultura é transformador, abre precedentes de novos horizontes e perspectivas para a sociedade. Concluímos esse ambicioso projeto com o orgulho de ajudar a preservar a memória do nosso País", afirma Guilherme Auger, diretor de marketing da Bombril.

Escultura Fauno, de Victor Brecheret, localizada no Parque Trianon. Foto: Rodrigo Kassab.

Sobre a Bombril
A Bombril conquistou milhares de lares no Brasil inteiro com um produto revolucionário: a lã de aço. Com o tempo, a marca foi crescendo e se desenvolvendo até se tornar o que é hoje: grande aliada dos consumidores na limpeza e cuidado com a família. Hoje são centenas de produtos para manter as casas brasileiras com aquele cheirinho de limpeza.

Detentora de marcas consagradas como Limpol, Mon Bijou, Sapólio Radium, Kalipto e Pinho Bril, tornou o seu principal produto - a lã de aço - sinônimo de categoria e líder absoluta no mercado brasileiro. Nossas marcas contam com posições muito relevantes de mercado e carregam valores que simbolizam respeito pelo consumidor, excelente relação qualidade/preço e grande versatilidade. Isso é o que garante nossas "mil e uma utilidades".

Há 71 anos, a Bombril faz parte do dia a dia dos consumidores que querem as melhores soluções para a limpeza diária. O público confia na Bombril e essa credibilidade tornou a empresa líder absoluta em vários segmentos. É uma marca sólida e confiável, que visa o crescimento focado no futuro de maneira sustentável, trabalhando em conjunto com parceiros e colaboradores.

Obra Sem título (1997), de José Resende, no Jardim de Esculturas do MAM. Foto: Rodrigo Kassab.

Para ver os vídeos do processo de conservação realizados pelo projeto, clique aqui e aqui.

Lançamento e distribuição do catálogo Conservação de Esculturas em Espaços Públicos
Data: 9 de julho, terça-feira.
Horário: das 11h às 17h.
Local: Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP).
Endereço: Parque Ibirapuera - Av. Pedro Álvares Cabral, s/n° - Vila Mariana.

Exibição do documentário Conservação de Esculturas em Espaços Públicos
Data: 9 de julho.
Horário: às 15h e às 17h.
A entrada é por ordem de chegada e será distribuído os ingressos uma hora antes de cada sessão.
Local: Auditório do MAM-SP.
Endereço: Parque Ibirapuera - Av. Pedro Álvares Cabral, s/n° - Vila Mariana.

Receba o e-book do projeto de Conservação de Esculturas em Espaços Públicos
Receba o e-book do projeto de Conservação de Esculturas em Espaços Públicos