AGENDA DAS ARTES

Voltar

Vaivém

Artistas: Vários

Curadoria: Raphael Fonseca

De 21/5 a 29/7

Centro Cultural Banco do Brasil Ver mapa

Endereço: Rua Álvares Penteado, 112 - Centro

Telefone: (11) 3113-3651

O CCBB-SP (Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo) apresenta “Vaivém”, em cartaz de 21 de maio a 29 de julho de 2019.  A mostra, com curadoria de Raphael Fonseca, crítico, historiador da arte e curador do MAC – Niterói, reúne mais de 300 obras que tem em comum representações de redes de dormir.


Gustavo Caboco - Rede Mãe. Crédito: Divulgação

Fonseca afirma que entre os séculos 16 e início do 18, a rede era associada à população indígena e interpretada como um ‘objeto do outro’ pelos artistas europeus. “Com a chegada da corte portuguesa em 1808, a rede passa a ser representada como um mobiliário comum em todas as esferas brasileiras. Artistas e intelectuais do país passam, então, a enxergá-la como um ‘objeto nosso’. Símbolo das permanências das culturas indígenas, a rede chega à contemporaneidade perpetuando ou destruindo certos discursos identitários sobre o Brasil”, completa o curador, que se dedicou à pesquisa do tema por mais de 4 anos para a sua tese de doutorado.


Adriana Aranha - sem título, 2007 - Coleção da artista. Crédito: Divulgação

Todos os espaços expositivos do CCBB São Paulo serão ocupados pela mostra. As obras variam entre pinturas, esculturas, instalações, fotografias, vídeos, documentos, intervenções, performances e objetos de cultura visual, como HQs e selos. Os trabalhos vão desde os séculos 16 ao 21. Serão 130 artistas no total.

Os grandes destaques da exposição ficam por conta das fotografias de Bené Fonteles e Cláudia Andujar, o vídeo inédito de Arissana Pataxó e a instalação interativa de Jaider Esbell lidam com a rede como objeto político e um ato afirmativo das culturas indígenas. A rede também está presente em Batizado de Macunaíma, um desenho raro de Tarsila do Amaral, e nos registros fotográficos da performance 100 Rede, de Tunga, realizada em 1997 na Avenida Paulista.


Rafael Salim - Registro fotograífico da recriação da instalação Riposatevi , de Lucio Costa, no MAC - Niterói, 2018. Crédito: Divulgação.

Além disso, a mostra traz ainda redes tecidas por artesãs de diversas regiões do Brasil, feitas a partir de diferentes materiais e técnicas, do orgânico ao industrial. Entre elas, estão artesãs indígenas, como Xykyreu Waiãpi (AM), Sueli Maxakali (MG) e Juvanil Kasaga (MT), não-indígenas, como Gonçalina da Rosa (MS) e Vanessa Teixeira (CE), além da Associação das Rendeiras de Bilro de Santana do Cariri (CE) e a Associação de Produtoras e Artesãs de Roça Grande (MG).
Serviço
Vaivém
Datas e Horários: De 21 de maio a 29 de julho. Todos os dias, das 9h às 21h, exceto terças. 
Local: CCBB SP|Rua Álvares Penteado, 112 – Centro
Entrada livre e gratuita