AGENDA DAS ARTES

Voltar

Tempestade de Luz

Artistas: Alfredo de Stéfano

Curadoria: Jully Fernandes

De 5/8 a 30/9

Galeria de Babel Ver mapa

Endereço: Alameda Lorena, 1257, Casa 2 - Jardim Paulista

Telefone: (11) 3825-0507

Alfredo de Stéfano, fotógrafo mexicano, está acostumado a trabalhar com paisagens inóspitas. Nascido na cidade de Monclova, em Coahuila, no deserto da região Nordeste do México, De Stefano viu nos lugares inabitáveis uma fonte de inspiração e passou por inúmeros desertos por todo o mundo, fotografando o local com intervenções de sua autoria. A coletânea de 16 dessas obras compõe a mostra individual "Tempestade de Luz", com curadoria de Jully Fernandes, que a Galeria de Babel exibe entre os dias 5 de agosto e 30 de setembro.

As intervenções são instalações criadas com elementos naturais ou materiais no meio do deserto. Sua capacidade para preencher o vazio de acordo com sua imaginação cria um debate sobre o homem e o espaço habitado por ele. De Stéfano acredita que mesmo os espaços nos quais o homem ainda não tocou estão passando por algum tipo de intervenção humana, pois tudo está conectado. “Se o homem habita a Terra, o homem transforma o espaço. Uma ação que ocorre neste espaço e neste momento tem repercussões milhares de quilômetros de distância daqui, mesmo em locais que são inacessíveis para homem”, afirma.

Cada lugar fotografado recebe uma instalação própria, de maneira a dialogar e complementar o espaço. Segundo Juan Esteves, jornalista, crítico de fotografia e curador, "Tempestade de Luz" recorre ao imaginário fotográfico constante do artista. “Trata-se de uma redefinição dos conceitos mais tradicionais da fotografia de paisagem  que se aproximam mais de uma leitura ontológica, perfeitamente acomodada na arte mais contemporânea, através da abordagem que discute as forças elementares da natureza e seus significados com as relações humanas”, diz.

O fotógrafo já esteve em desertos no México, Estados Unidos, Austrália, Chile, entre outros, e vê neles uma maneira de reflexão, argumentando que todos os desertos são seu próprio deserto que se abrem diante dele com certa austeridade. Considerado um dos mais importantes fotógrafos contemporâneos no México, seu trabalho já foi exposto nos 5 continentes. “Para ele, o deserto em si é um milagre, o qual o artista ainda está em sua fronteira, ou melhor ainda, longe de tocá-lo” finaliza Juan Esteves.

Sobre o artista
Nascido em Monclova, Coahuila, cidade do Nordeste Mexicano, Alfredo de Stéfano é considerado um dos fotógrafos conceituais contemporâneos mais importantes do país. Sua paixão é a paisagem e, especificamente, desertos. Suas séries fotográficas incluem sobre um Futuro (1992), Restos do Paraíso (1996), Habitar o Vazio (2002) e Breve Crônicas de Luz (2006). Desde 2008 ele vem trabalhando em uma nova série: Tempestade da Luz, que se realiza em diferentes desertos ao redor do mundo. O artista montou mais de noventa exposições, individuais e coletivas, e seu trabalho tem sido mostrado nos cinco continentes, incluindo capitais do mundo, tais como: Cidade do México, Paris, São Paulo, Nova York, Washington, Madrid, Bogotá, Lima e Buenos Aires, entre outros. Sua fotografia apareceu em muitos livros e revistas e seu trabalho é encontrado em coleções públicas e privadas no México e no exterior. Alfredo de Stéfano tem sido um membro do Sistema Nacional de Criadores desde 2008.

Alfredo de Stéfano, Círculo Azul - Puna / Divulgação

serviço:
Exposição: “Tempestade de Luz”, de Alfredo de Stéfano, com curadoria de Jully Fernandes.
Datas e horários: Abertura no dia 5 de agosto, às 19h. Visitação entre os dias 6 de agosto e 30 de setembro de 2015. De terça a sexta, das 10h às 19h; sábados, das 11h às 17h.
Local: Galeria de Babel | Vila Modernista (Alameda Lorena, 1257), Casa 2 - Jardim Paulista
Entrada franca.

Imagem de capa: Alfredo de Stéfano, Bajo el Volcan - Atacama [divulgação].