AGENDA CULTURAL

Voltar

O papagaio de Humboldt

Artistas: Vários

Curadoria: Alfons Hug

De 4/8 a 4/10

Oca - Parque do Ibirapuera Ver mapa

Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral, Portão 3 - Ibirapuera

Telefone: (11) 3105-6118

A América Latina concentra 10% das línguas faladas no mundo. São cerca de 160 só no Brasil, mas calcula-se que mais de 85% das línguas indígenas vivas no ano de 1500 já tenham sido extintas. Algumas dessas línguas em risco de desaparecer são resgatadas por 15 artistas na exposição "O Papagaio de Humboldt", em cartaz na Oca do Parque do Ibirapuera entre os dias 4 de agosto e 4 de outubro de 2015.

Para a construção dessa instalação, um grupo de artistas desenvolveu trabalhos relacionados ao patrimônio linguístico indígena, trabalhando com 15 línguas da América do Sul. Na seleção destas, foi determinante não apenas a importância histórica e cultural de uma língua e de uma etnia, mas também o grau de ameaça de extinção e seu apelo estético.

Idealizada pelo Instituto Goethe, com patrocínio da Oi Futuro e curadoria de Alfons Hug, a mostra resgata não apenas um precioso patrimônio linguístico, mas também uma forma de ver e viver o mundo, uma genuína visão de mundo e do ambiente, uma leitura do universo que não mais se conseguirá acessar.

”O Papagaio de Humboldt” se inspira no mito do papagaio que o explorador e naturalista alemão Alexander von Humboldt adquiriu da tribo indígena caribe, em plena selva do Orinoco, em uma das inúmeras viagens que o levaram a países como Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Cuba e México, entre 1799 e 1804. Humboldt percebeu que o papagaio não falava a língua da tribo que visitava, mas a língua da tribo exterminada, os maipuré. Na verdade, o papagaio era o único falante vivo dessa língua que levava o mesmo nome da tribo extinta. Vale lembrar que Humboldt está um pouco presente na literatura brasileira por causa do papagaio do Macunaíma – aquele papagaio que fala no fim do livro, o único que conhece a língua da tribo.

A mostra busca colocar as pessoas em contato com a realidade das línguas ameríndias e, ao mesmo tempo, apresentar as formas de renascimento que vêm acontecendo nesse terreno. O fato da exposição restringir-se exclusivamente ao som exige concentração intensa do visitante, que pode prescindir dos elementos visuais à medida que se dispõe a mergulhar profundamente no cosmo das línguas raras.

A exposição passa pelo Rio de Janeiro, São Paulo, Buenos Aires, Santiago, Caracas, Lima, La Paz e Montevidéu, bem como por Veneza, pelo Mousonturm de Frankfurt, pelo Museu Etnológico de Berlim e pelo Goethe-Institut Nova York.

Artistas
Brasil: Adriana Barreto, Paulo Nazareth; Uruguai: Gustavo Tabares; Argentina: Sofia Medici & Laura Kalauz; Chile: Rainer Krause; Bolívia: Sonia Falcone & José Laura Yapita; Peru: José Huamán Turpo; Venezuela: Muu Blanco; Paraguai: Javier López / Erika Meza; Equador: Fabiano Kueva; Guatemala: Sandra Monterroso; Costa Rica: Priscilla Monge; Nicarágua: Raul Quintanilla; Panamá: Orgun Wagua; Alemanha/Brasil: Ellen Slegers

serviço:
Exposição: "O papagaio de Humboldt".
Datas e horários: De 4 de agosto a 4 de outubro de 2015. De terça a domingo, das 9h às 17h.
Local: Oca, Cúpula | Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n - Portão 3 - Parque Ibirapuera
Entrada gratuita.