AGENDA DAS ARTES

Voltar

Filhos da Guerra: O Custo Humanitário de um Conflito Ignorado

Artistas: Gabriel Chaim

Curadoria: Marcello Dantas

De 3/12 a 16/1

Zipper Galeria Ver mapa

Endereço: Rua Estados Unidos, 1494 - Jardim América - São Paulo - SP CEP 01427-001

Telefone: 11 4306-4306

"Filhos da Guerra: O Custo Humanitário de um Conflito Ignorado", parceria da Zipper Galeria e a Human Rights Watch Brasil, traz a São Paulo imagens em grande dimensão da guerra na Síria entre os dias 3 de dezembro de 2015 e 16 de janeiro de 2016.  O trabalho de Gabriel Chaim, "Filhos da Guerra: O Custo Humanitário de um Conflito Ignorado", conta com curadoria de Marcello Dantas e reúne nove imagens e um vídeo feito por drones que mostram a tragédia humana da guerra civil por diferentes olhares: das mulheres, das crianças, dos algozes, em fotos de grande dimensão (1,5 m x 2,25 m), que destoam do padrão das fotos documental e trazem o impacto do drama em cada registro.

A abertura da exposição, em 1º de dezembro, contará com a presença do vice-presidente da HRW, Iain Levine, para falar sobre o conflito sírio e seu impacto humanitário e contará com o talento culinário do sírio Talal, que após campanha de crowdfunding de sucesso lança em breve seu restaurante de comida típica em São Paulo – notadamente uma das cidades que mais concentra refugiados no Brasil e onde a presença imigrante síria é parte inalienável de sua formação enquanto metrópole.

Uma guerra civil que já matou mais de 200 mil pessoas e deixou milhões de deslocados internos e refugiados não só em países vizinhos – mas também na Europa e no Brasil – tem dado ao mundo uma iconografia marcada pela tragédia, destruição, desespero. Desde 2013, o conflito iniciado em 2011 tem sido acompanhado de perto pelo fotógrafo e documentarista brasileiro Gabriel Chaim, um dos poucos estrangeiros a conseguir cruzar a fronteira da Síria com a Turquia e entrar na cidade de Kobane, um dos locais mais tensos do conflito.

Jovem soldado do grupo Jaish al Mujahideen em meio a destruição do bairro Salahidin, no centro de Aleppo, Síria. 21 de junho de 2014 (150 x 225 cm) / Foto: Gabriel Chaim

A exposição
Primeira ação cultural da HRW no Brasil, a individual, segundo o curador, Marcello Dantas, buscará dar a “noção de quem são as vítimas e quem são os algozes” no conflito e “o que é a vida cotidiana nessa região”. O curador conta que instigou o fotógrafo a não apenas registrar o conflito por meio de imagens, mas também buscar as histórias de cada indivíduo e local registrado, que estarão na exposição junto de cada uma das fotos. O público da exposição poderá ver, nas fotos, uma quase preponderância da presença feminina na mostra. Segundo Dantas, isso ocorre porque, em uma guerra, “a mulher torna-se a sociedade. A sociedade passa a ser tocada por ela, uma vez que o homem sai em guerra e ela fica.”

Para o vice-presidente da HRW, Iain Levine, a exposição de Chaim insere São Paulo, sede do primeiro escritório da instituição na América Latina, na cadeia global de ações culturais da entidade. “O Brasil, mas, sobretudo, São Paulo, tornou-se um dos principais destinos dos refugiados sírios na América Latina, o que torna a exposição um marco simbólico muito forte da questão dos refugiados quanto do início das nossas ações no Brasil”, afirma.

Mulher segura fotografia de seu falecido esposo (110 x 165 cm) / Foto: Gabriel Chaim

O artista
Gabriel Chaim é um fotógrafo e documentarista brasileiro especializado em coberturas em áreas de conflito, crises e situações extremas. Publicou trabalhos em reconhecidos meios de comunicação, como CNN e GloboNews. Além do trabalho atual sobre o conflito da Síria, Gabriel Chaim atuou cobrindo turbulências recentes no Egito, Iraque, Irã e na Faixa de Gaza. Sua busca é sempre por histórias de pessoas que buscam sobreviver em tais condições. Chaim realiza também trabalho humanitário em parceria com grandes ONGs internacionais para a ajuda dos refugiados.

Garoto observa o buraco no teto de uma mesquita bombardeada por míssel do governo de Assad. Huraitan, Síria, 7 de maio de 2014 (150 x 225 cm) / Foto: Gabriel Chaim

Human Rights Watch
A Human Rights Watch (HRW) é uma organização não governamental sem fins lucrativos que defende os direitos humanos em mais de 90 países. Tem mais de 400 funcionários e escritórios em Bruxelas, Genebra, Zurich, Johannesburgo, Nairobi, Washington, Tóquio, Sydney, Moscou, Beirute, Berlim, e Nova Iorque, dentre outras cidades ao redor do mundo. As equipes da HRW contam com profissionais de diversas áreas: advogados, jornalistas, acadêmicos de diversas carreiras; mais de 60 nacionalidades e de 80 línguas faladas. A HRW é reconhecida por investigações aprofundadas sobre violações de direitos humanos, a elaboração de relatórios imparciais sobre essas investigações e o uso efetivo dos meios de comunicação para informar e sensibilizar diversos públicos sobre essas causas. Contando com o apoio de organizações locais de direitos humanos, publica mais de 100 relatórios e artigos sobre direitos humanos em todo o mundo anualmente. A partir de casos concretos de violações, a HRW se reúne com governos e organizações internacionais para propor políticas públicas e reformas legais necessárias para proteger direitos e garantir a reparação para vítimas de violações passadas.

Criança correndo pelos escombros da cidade de Aleppo. Aleppo, Síria, 9 de maio de 2014 (150 x 225 cm) / Foto: Gabriel Chaim

serviço
Exposição: "Filhos da Guerra: O Custo Humanitário de um Conflito Ignorado", de Gabriel Chaim com curadoria de Marcello Dantas.
Datas e horários: Abertura dia 1º de dezembro, às 19h30 (somente convidados). Em cartaz entre os dias 3 de dezembro e 16 de janeiro de 2016. De segunda a sexta, das 10h às 19h; sábado, das 11h às 17h.
Local: Zipper Galeria | Rua Estados Unidos, 1.494 - Jardim América.
Entrada franca.