AGENDA DAS ARTES

Voltar

Elogiamos a Casa que se Abre a Perder de Vista

Artistas: Vários

Curadoria: Mario Gioia

De 2/12 a 10/2

Bolsa de Arte Ver mapa

Endereço: Rua Mourato Coelho, 790 - Vila Madalena

Telefone: (11) 3097-9673

Um dos gêneros clássicos da História da Arte, a paisagem ganha recorte urbano na coletiva de fim de ano que a Galeria Bolsa de Arte abre no dia 2 de dezembro (sábado), das 11h às 16h. "Elogiamos a Casa que se Abre a Perder de Vista", com curadoria de Mario Gioia, traz cerca de 30 obras de artistas do elenco da galeria mesclados a nomes novos e estabelecidos. Entre os representados, figuram Alexandre Wagner, André Lichtenberg, Marina Camargo, Shirley Paes Leme e Vera Chaves Barcellos. Outros nomes, como Bruno Drolshagen, Ding Musa e Marco Maria Zanin completam a seleção de artistas. A mostra permanece em cartaz até fevereiro de 2018.

Daniel Moreira e Rita Castro Neves, Ordem e Progresso (Pixote), 2017. Vídeo HD, 03.14 min, em loop. (Agradecimentos: Projeto Fidalga, Felipe Souto Ferreira e Ocupa 64)

A mostra é um desdobramento de "Ao Sul, Paisagens", que Gioia exibiu na sede da Galeria Bolsa de Arte em Porto Alegre em 2013. Se lá a perspectiva ambiental enfatizava um certo ideário sulino, com mais prevalência da natureza em cena, na versão paulistana o escrutínio do entorno vale-se da iconografia urbana e de suas tensões.

“Na paisagem urbana, temos sempre ruídos, interferências, quase nunca temos um horizonte limpo visualmente. Percebemos que essa matéria concreta, cinzenta, é algo introjetado. Esse tom está bem presente nos trabalhos”, diz Gioia. Assim, se na exposição anterior Vera Chaves Barcellos teve exposta uma série de fotos dos anos 1970 com um zoom da pele, agora apresenta as nove fotos que enfocam e compõem Usina Nuclear (2007).

Bruno Drolshagen, Geográfica Universal, 2015. Cimento e objetos, 8 x 50 x 40 cm (Foto: Blau Projects)

Em comum, além da abordagem da paisagem, ambas têm a expografia como proponente de relações amplificadoras dos sentidos das obras, possibilitando o surgimento de linhas temáticas que atualizam a noção de paisagem. “(...) Toda exposição coletiva existe realmente de fato a partir das relações estabelecidas entre as obras a partir de sua disposição no espaço expositivo. O planejamento inicial e as ideias-esboço ganham potência e se 'corporificam' nesse locus da arte contemporânea”, escreveu o curador no catálogo da primeira exposição.

Entre as divisões que compõem a mostra, "Paisagem-território" traz em seu apelo político a obra inédita de Ding Musa sobre a Palestina, com vídeo e livro de artista. Já em Copo Americano, Gustavo Torrezan enche esse utensílio com a terra da aldeia dos índios Guaranis em São Paulo. Em comum, os dois trabalhos evocam populações desterritorializadas, destituídas de seu solo natal.

André Lichtenberg, 01:25 AM Untitled 1, da série Dream, 2010. Fotografia, 40 x 60 cm, edição 1/20. (Foto: Galeria Bolsa de Arte)

No segmento da "Paisagem-corpo", a jovem performer Maíra Vaz Valente exibe o vídeo de sua residência em Visconde de Mauá, em que integra seu corpo nu ao entorno, coberto com pequenas bolsas d’água, que são estouradas gradualmente. A "Paisagem-natural" não está totalmente excluída da mostra, mas surge com interferências da ação humana.

Alexandre Wagner, artista da Galeria Bolsa de Arte, está inserido no núcleo de "Paisagem-pictórica" ao lado de Roberta Tassinari. Dois artistas estrangeiros observam São Paulo em "Paisagem-metrópole": o italiano Marco Maria Zanin, que vive entre SP e Padova, com uma foto de um edifício enorme no Anhangabaú, “uma massa gigante de concreto”; e a portuguesa Rita Castro Neves, que apresenta uma videoinstalação de câmera fixa sobre a ocupação da Rua do Ouvidor, resultado de sua residência no Ateliê Fidalga.

Vera Chaves,“Usina Nuclear”, 2007. Fotografia, 91 X 98 cm, edição 1/5 (Foto: Galeria Bolsa de Arte)

A "Paisagem-popular", com forte influência do mercado de massa, é formada por trabalhos tridimensionais, como o de Bruno Miguel. Ele se apropria de restos de adornos de Carnaval ou de badulaques de feiras populares para produzir suas esculturas. Bruno Drolshagen inspirou-se nas feiras de chão da Lapa, em que catadores de lixo vendem objetos coletados na rua, para dar ao cimento forma de enciclopédia e brinquedos, entre outros.

Essas divisões multiplicam-se e entrecruzam-se em outras variações que abarcam as vicissitudes do meio-ambiente das grandes cidades. Nas palavras de Mario Gioia: “Com um olhar calcado na variedade de linguagens - pintura, fotografia, tridimensional, vídeo, livro de artista -, 'Elogiamos a Casa...' traz perspectivas algo cinzentas sobre um dos principais gêneros da história da arte”.

Lista de artistas
Alexandre Wagner; André Lichtenberg; Bruno Drolshagen; Bruno Miguel; Daniel Moreira e Rita Castro Neves; Ding Musa; Dirnei Prates; Gustavo Torrezan; Julia Milward; Layla Motta; Leka Mendes; Leticia Lampert; Maíra Vaz Valente; Manuela Costa Lima; Marco Maria Zanin; Marina Camargo; Renata de Bonis; Roberta Tassinari; Shirley Paes Leme; Vera Chaves Barcellos e Xadalu.

Marco Maria Zanin, Praça Bandeira, 2013. Impressão fine art em papel algodão, 145 x 175 cm (Divulgação)

Serviço
Exposição: "Elogiamos a Casa que se Abre a Perder de Vista", coletiva com curadoria de Mario Gioia.
Datas e horários: Abertura dia 2 de dezembro (sábado), das 11h às 16h. Em cartaz entre 4 de dezembro de 2017 e fevereiro de 2018. De segunda a sexta, das 10h às 19h; sábados, das 11h às 17h. (Obs.: a galeria fará recesso de fim de ano do dia 23 de dezembro a 14 de janeiro)
Local: Galeria Bolsa de Arte | R. Mourato Coelho, 790 - Vila Madalena, São Paulo.
Entrada livre e gratuita.