AGENDA DAS ARTES

Voltar

De tudo aquilo que não nos representa

Artistas: Érica Ferrari

Curadoria: -

De 15/10 a 14/11

Galeria Kogan Amaro Ver mapa

Endereço: Alameda Franca, 1054 - Jardim Paulista

Telefone: (11) 3045-0944

A partir de 15 de outubro a galeria Emma Thomas exibe, simultaneamente, a exposição “De tudo aquilo que não nos representa”, individual da artista Érica Ferrari, e “No lugar do ar”, ocupação da artista Carolina Martinez que integra a 3ª edição do Work.in.Process - projeto no qual um artista convidado expõe parte de seu processo criativo no segundo andar da galeria. Ambos seguem em cartaz até 14 de novembro com entrada livre e gratuita.

Em “De tudo aquilo que não nos representa”, Érica Ferrari parte de uma pesquisa sobre a funcionalidade do monumento na cidade e o uso do espaço de seu entorno. “Em recente período de residência em Berlim, fiz um estudo de observação dos monumentos daquela cidade. Por ser um lugar com uma história de conflitos e governos díspares, possui os mais variados tipos de monumentos e memoriais, que por vezes são resignificados e alterados com o passar do tempo”, ela conta. Voltando a São Paulo, a partir dessa experiência, a artista direcionou sua atenção aos monumentos da cidade, especialmente em relação aos seus significados como construções simbólicas e de uso.

Na mostra, Érica apresenta uma instalação com cerca de 7 metros de comprimento, feita com cimento, gesso, entulho e outros materiais de descarte. Nesta obra, a artista funde o espaço público que constitui o entorno de um monumento em escala real. Para tanto, foi escolhido como ponto de partida o Obelisco da Memória, o mais antigo monumento de São Paulo, situado no Largo da Memória, no centro da cidade. “Após pesquisar, decidi escolher esse obelisco pois ele funciona quase como um marco vazio, prestando homenagem a sua própria existência”, diz.

Para a artista, o uso público do espaço em que o Obelisco da Memória se encontra é bastante significativo, pois se trata de uma tentativa de pensar sobre um espaço que deveria ser representativo em um sentido - como símbolo cívico - mas funciona de outras formas, como por exemplo ponto turístico,  local de permanência de moradores de rua, passagem ou mesmo ponto de drogas.

Em “De tudo aquilo que não nos representa” também são apresentadas três obras de parede, produzidas com madeira, entulho e formica. Em uma delas, diversos obeliscos estão dispostos como em uma reunião ao redor de um espaço retangular vazio. Em outro trabalho, duas bandeiras permanecem hasteadas do lado de fora de uma sala deserta. Também será exibida uma projeção de um vídeo gravado nas cidades de Berlim e São Paulo, na qual a artista mostra a dinâmica que turistas, transeuntes e moradores mantêm com esses símbolos e com os espaços públicos que os circundam.  

Sobre a artista
Nascida em 1981, em São Paulo, Érica Ferrari é formada em Artes Visuais pela USP. Participou de exposições com o grupo Hóspede e individualmente. Ganhou Prêmios Aquisições em importantes salões de arte do Brasil e recebeu prêmios públicos de incentivo à produção. Nos últimos anos produz instalações e painéis a partir de pesquisa em torno das relações entre a arquitetura, a paisagem e a história. Isso inclui estudos sobre a densidade histórica e simbólica das construções arquitetônicas, as diferentes representações da ideia de paisagem e dos elementos que compõem visualmente nossa compreensão do que é construído e do que é natural. As peças são apresentadas como objetos ou painéis, geralmente construídos com materiais comumente usados em casas e móveis como madeira, gesso e fórmica. Érica apresentou exposições individuais na Galeria Emma Thomas, no Palácio das Artes (Minas Gerais), no Museu de Arte de Ribeirão Preto (São Paulo), na 32° ARCO em Madrid e no Prêmio Festival Cultura Inglesa. Foi artista residente na Casa Tomada (São Paulo), no Sculpture Space em Utica (Nova York) e na Rampa (Madrid). No ano passado, apresentou exposições individuais na PIVÔ e no Paço das Artes, ambos em São Paulo. Agora está em residência no GlogauAIR, em Berlim, produzindo um novo corpo de trabalhos.

Frame de um dos vídeos de "De tudo aquilo que não nos representa", de Érica Ferrari / Divulgação

Instalação em "De tudo aquilo que não nos representa" , maquete por Érica Ferrari / Divulgação

serviço
Exposição: “De tudo aquilo que não nos representa”, de Érica Ferrari
Datas e horários:  Abertura dia 15 de outubro, das 18h às 22h. Em cartaz de 15 de outubro a 14 de novembro de 2015. De segunda a sexta-feira, das 11h às 19h; sábados, das 11h às 17h.
Local: Galeria Emma Thomas | Rua Estados Unidos, 2205 - Jardins
Entrada gratuita