AGENDA DAS ARTES

Voltar

Arte Atual Festival 2016 - Quadro, Desquadro, Requadro

Artistas: Várias

Curadoria: Paulo Miyada e Olivia Ardui

De 13/5 a 29/5

Instituto Tomie Ohtake Ver mapa

Endereço: Avenida Brigadeiro Faria Lima, 201 - Pinheiros - São Paulo - SP CEP 01451-001

Telefone: (11) 2245-1900

Criado pelo Instituto Tomie Ohtake em 2013, o Programa Arte Atual se consolidou como plataforma para pesquisas e trabalhos inéditos de jovens artistas e como um espaço de mostras coletivas construídas a partir de perspectivas múltiplas e heterogêneas sobre uma mesma questão. Desdobramento do projeto, o "Arte Atual Festival", chega a sua segunda edição propondo aos artistas convidados um processo ainda mais dinâmico e experimental, favorecendo o risco, a provocação e o transito entre linguagens.

A edição deste ano faz parceria com o Festival Path 2016, evento que ocupa espaços culturais em Pinheiros, Zono Oeste da capital, durante o final de semana dos dias 14 e 15 de maio. Denominada "Quadro, Desquadro, Requadro", a mostra debruça-se sobre as condições fundantes para a experiência do enquadramento nas artes e fica em cartaz entre os dias 13 e 29 de maio de 2016. As atristas convidadas pelos curadores Paulo Miyada e Olivia Ardui – Ana Mazzei, Renata De Bonis, Manuela Eichner, Patricia Araújo, Claudia Briza e Marcia Beatriz Granero –foram escolhidas pelo comprometimento com as questões da encenação e do colocar-se em quadro.

Cláudia Briza (Divulgação)

Proposto pela curadoria, os trabalhos apresentados são quase em sua totalidade realizados especialmente para esta exposição. Ana Mazzeie Renata De Bonis buscam referências na história da pintura. Em 2015, convidada a participar de uma residência artística na Alemanha, De Bonis conheceu in loco as paisagens retratadas pelo célebre pintor Caspar David Friedrich. Durante as visitas, a artista gravou vídeos e a sonoridade desses locais, que na exposição são confrontadas ao imaginário construído em torno das potentes e emblemáticas paisagens do romantismo alemão. Por outro lado, Ana Mazzei apresenta seus mobiliários que, segundo a curadoria, “evidenciam as estruturas formais, semânticas, gestuais e simbólicas que sustentam as composições pictóricas de Jacques Louis David ou Giotto”.

Já Manuela Eichner e Patricia Araújo pesquisam a ideia de embate de um corpo com outros corpos e/ou com a paisagem e o tecido urbano.  Em uma instalação híbrida, Araújo propõe uma reflexão acerca da reação dos corpos perante a destruição provocada por desastres naturais ou pela especulação imobiliária. Já Eichner, utilizando o conceito da colagem e se valendo da fragmentação própria dessa técnica, mescla imagens e elementos de origens diversas e busca extrapolar o plano bidimensional para investir em montagens tridimensionais.

Por fim, Márcia Beatriz Granero e Cláudia Briza, usam táticas de enquadramento e encenação que fazem alusão direta à construção gramatical do cinema narrativo tradicional. Enquanto Márcia Beatriz Granero faz do Instituto Tomie Ohtake o novo cenário de investigação de sua personagem Jaque Jolene, também interpretando personagens para si, Claudia Briza interage com trechos de filmes selecionados, em vídeos, nos quais ao mesmo tempo exagera e reafirma o caráter selado do quadro da ficção.

Postal Monk by the sea (Divulgação)

Durante o período expositivo, as ideias propostas pela curadoria são ampliadas por meio  de um programa de ações paralelas com convidadas que trabalham outros campos de pesquisa, sempre engajadas na exploração de modos de construir, desfazer e refazer enquadramentos. Dalila Camargo Martins ministra palestra sobre o enquadramento no âmbito do cinema experimental, enquanto Clarice Lima, que pesquisa as relações entre texto e dança, propõe a composição de uma coreografia ao vivo a partir do movimento do público do hall do Instituto. Por fim, Carolina Bianchi convida o público a participar da oficina "Manifesto de um corpo delirante", uma vivência centrada nas relações do corpo na e com a cena teatral.

Assim como em sua primeira edição, em "Arte Atual Festival – Quadro, Desquadro, Requadro", a curadoria sugere que os próprios artistas, em parceria com a equipe do Instituto, realizem a montagem dos trabalhos e a ocupação do espaço. Uma experiência para permitir diferentes alternativas de diálogo entre as obras e que permanecerá aberta a mudanças também enquanto a exposição estiver em cartaz. Ao utilizarem linguagens e abordagens variadas, os participantes evitam modelos prefixados e negociam a ocupação de um espaço compartilhado, fugindo de recortes temáticos referenciais. Ao possibilitar mudanças de direção ao longo do percurso expositivo, o projeto busca a experimentação como guia principal da arte.

“Mais do que propor respostas definitivas, 'Quadro, Desquadro, Requadro' sublinha a ambiguidade e dificuldade de discernir o limite da cena e a delimitação do campo da imagem como fronteiras definitivas. As obras, performances, palestras e oficinas que integram essa edição do Arte Atual Festival apontam para o espaço da representação como um meio de contenção que segue uma lógica de inclusão e exclusão sempre viva, como membrana entre os espaços da arte e da vida”, apontam os curadores.

O Núcleo de Pesquisa e Curadoria do Instituto Tomie Ohtake, vem pesquisando arte brasileira desde 2011. Com projetos de exposição e pesquisas como a Linha do Tempo da Arte Brasileira, o grupo realizou a curadoria de inúmeras exposições que estiveram em cartaz no Instituto.

Márcia Beatriz Granero, Lacuna - vídeo (Divulgação)

serviço
Exposição: "Arte Atual Festival – Quadro, Desquadro, Requadro", com trabalhos de Ana Mazzei, Renata De Bonis, Manuela Eichner, Patricia Araújo, Claudia Briza e Marcia Beatriz Granero; e curadoria de Paulo Miyada e Olivia Ardui.
Datas e horários: Abertura dia 13 de maio, às 20h (convidados). Em cartaz entre os dias 14 e 29 de maio de 2016. De terça a domingo, das 11h às 20h.
Local: Instituto Tomie Ohtake | Av. Faria Lima, 201 (Entrada pela Rua Coropés, 88) - Pinheiros.
Entrada franca.